Devaneios Desejosos

Fonte (imagem): (M)ALÍCIA’S

É maravilhoso despi-la. Cada peça de roupa que tiro, levo até o nariz, absorvendo, embriagando-me em seu delicioso aroma.

Meus olhos sempre buscando os seus, meus lábios em ininterruptos beijos por sua cálida pele macia. E o sabor… ah o seu sabor!

Presto total atenção em sua orelha e em seu pescoço, beijando-lhes, mordendo-lhes…

Minhas mãos não param de acariciá-la, de estimulá-la.

Meu principal objetivo é lhe proporcionar prazer! Quero que esta noite seja inesquecível.

E enquanto penso e planejo formas e maneiras de extasiá-la, continuo explorando seu corpo com minhas mãos, meus beijos e minha língua.

– Você é minha, – sussurro –, esta noite você é só minha!

E desço pelo seu pescoço, beijando seu colo.

Deitado sobre ela, meu peso lhe pressionando sobre os lençóis da cama, vou baixando cada vez mais, beijando, brincando com minha língua por entre seus seios fartos… então paro rapidamente e lhe encaro, absorvendo o desejo em seu olhar. Seus olhos implorando para que eu continue.

“Não vou desapontá-la, minha linda! – Prometo-lhe em pensamento. – Quero apenas saborear o seu desejo e sua ânsia por mim.”

De repente, num movimento rápido e certeiro, avanço para o seu seio esquerdo, sentindo seu delicioso mamilo enrijecer-se ainda mais em minha boca. E enquanto me demoro ali, beijando, chupando e mordendo, segurando o rígido mamilo entre meus dentes, e delicadamente acariciando-o com a língua, levo minha mão direita para seu seio direito, apertando, acariciando, enchendo minha mão em sua carne.

Mas eu não resisto. Preciso beber do seu olhar, do seu desejo de mim e por mim a cada instante. Então eu puxo seu mamilo com meus dentes, devagar e delicadamente, e volto a olhá-la. Provocando-a com promessas não ditas, promessas expressas apenas pelo olhar ardente que lhe dirijo.

Ah! Quem dera você soubesse o quanto lhe desejo… Ah! Quem dera você pudesse imaginar quantas vezes quis estar enroscado em seu corpo.

Será que você consegue mensurar o desejo que me consome por não tê-la ao meu lado todos os dias?

Minha trajetória ao sul do seu corpo ainda não terminou.

Solto seus seios vagarosamente, enquanto respiro profundamente o mais próximo possível do seu corpo sem tocá-la. E vou descendo, descendo e roçando minha barba levemente pela sua barriga.

Mas assim como uma mariposa é atraída pela luz, é quase impossível não me deter sobre seu umbigo.

Ah! Que delícia beijar e brincar em sua pele.

Esta posição é maravilhosa, pois ao norte, tenho a incrível visão do seu corpo, seu peito subindo e descendo com a respiração irregular, seus seios firmes e a certeza da apreciação do prazer estampada em sua face.

Ao sul, minha mão direita desce por entre suas pernas, sem tocá-la onde deseja que lhe toque. E com muita delicadeza, separo suas pernas o suficiente para que eu possa me acomodar.

O aroma da sua umidade próxima é inebriante, e quase faz com que eu me atire diretamente sobre o seu sexo ainda sob a calcinha. Mas eu resisto ao ímpeto, e desço lhe beijando, lambendo, assoprando a pele do seu púbis, sua virilha vestida em lingerie.

Com muita delicadeza, de forma lenta e provocativa, passo minha língua para baixo de sua calcinha, pelo lado esquerdo. Segurando-a com os dentes, e auxiliando com minhas mãos, termino de despi-la, puxando essa peça até tirá-la e então, sentando-me aos seus pés, fico observando-lhe, enquanto seguro sua calcinha junto ao rosto, embriagando-me em seu cheiro, bebendo seu desejo que é tão claramente perceptível em seus olhos. E, ah! Que visão esplendorosa! Eu poderia ficar lhe observando desta forma por horas sem me cansar ou sem notar a passagem do tempo.

Mas o tempo não para, e a urgência em satisfazê-la é maior.

Soltando sua calcinha ao chão, sem pressa e sem rodeios, trago seu pé direito até minha boca.

Vagarosamente, enquanto massageio a sola com meus dedos, vou beijando cada dedo do seu pé. Começo pelo menor, beijando-o, chupando-o, e passo para o dedo seguinte, mas não antes que minha língua brinque entre um e outro.

Quando termino cada um dos seus dedos, passo para o seu tornozelo, subindo, lambendo, e sempre acariciando sua perna com minhas mãos ávidas em lhe dar prazer.

Aproximando-me um pouco mais, começo a beijar seu joelho, bem de leve, sussurrando gemidos em sua pele, e, delicadamente começo a arranhar a face interna de sua coxa, da junção de suas pernas em direção aos meus beijos, que se dirigem vagarosamente ao centro do seu prazer.

Levantando ainda mais a sua perna sobre seu corpo, deixo completamente exposto seu sexo, que antecipa minha chegada aumentando sua lubrificação.

Continuo a beijar sua coxa pelo lado interno, seu calcanhar em minhas costas… estou tão próximo do alvo, que posso sentir o seu calor em minha face. E vou me aproximando cada vez mais, beijando, mordendo, lambendo… e quando estou exatamente a cinco milímetros dos seus lábios, seu corpo completamente tremendo de antecipação, levanto-me rapidamente, trazendo sua perna direita para a esquerda, virando-lhe de bruços.

Ah! Que visão! Suas costas, suas nádegas, suas pernas…

Agora, volto para o seu pé esquerdo. Beijando-lhe o calcanhar, subindo pela panturrilha, detendo-me um pouco mais atrás do seu joelho.

Nessa altura, minha mão direita já alcança suas costas, e enquanto arranho levemente, descendo vagarosamente pela linha da sua coluna, vou subindo com meus beijos pelo lado de trás da sua coxa, exatamente na mesma velocidade. E juntos, minhas mãos e meus lábios encontram-se ali, sobre suas nádegas.

Ah! Quantas coisas posso fazer aqui… rsrsrsrs, mas eu sei bem o que devo fazer, e não me demoro a iniciar: com a minha língua, vou brincando e descendo, em direção ao meu prêmio, meu objetivo desde o início.

Seu desejo é tão grande, que você já quase não tem mais controle sobre seu corpo. Seu quadril se eleva, empinando sua bunda em direção ao meu rosto, abrindo passagem para minha língua que não perde tempo, e desce impetuosa sobre a vulva inchada de excitação e desejo de ser preenchida.

Minha língua, provocando um atrito delicioso com a carne do seu centro, provoca gemidos em nós dois.

E acossado pelo desejo acumulado, eu me permito perder ligeiramente o controle da situação e penetro-lhe com minha língua… pra dentro e pra fora… pra dentro e pra fora, parando e mordendo sua carne, chupando seu suco, sugando pra dentro de mim a sua essência.

Seus gemidos estão muito altos, fazendo com que a minha excitação se eleve tanto, que eu já não suporto mais, preciso tê-la, e preciso tê-la agora!

Rapidamente, enquanto você mantém essa bunda deliciosa empinada pra mim, posiciono-me sobre você, minha ereção buscando sua entrada.

Preciso entrar em você, preciso estar em você… e é agora!

Agarro seus cabelos, puxando-a para junto de mim, e assim que meu quadril se prepara para dar a primeira estocada, milésimos de segundo antes de estar definitivamente dentro de você, sentindo seu calor sob meu corpo, nosso suor se misturando, eu prendo a respiração antevendo, antecipando o prazer… é agora, prepare-se…

PUTA QUE PARIU!!! – eu grito e sento-me na cama, banhado em suor. – Caralho! Isso é hora pra acabar a porra do sonho?!

  • Autor: Michael R. Souza (12 de outubro de 2012);
  • Fonte: Publicado originalmente no blog “Inutilidades Acumuladas”;